Sunday, August 06, 2006

RODOVIAS

Na estrada, ao volante
luzes vorazes
buzina e faróis auxiliares
o rádio alto, o vento cortante
chuva no para-brisa
ligado farol de milha
kilometro a kilometro
só o motor roncante
pé na tabua!
na estrada pintada à cal
ainda muito distante
esqueceu o coração na radial

6 Comments:

Anonymous Rafael said...

E ae cara! tô vendo que você desmembrou os seus poemas numa página só :(
Acho que seria legal colocar no ecritica... mesmo porque esse seu blog é um concorrente nosso do Ecritica... hahah

5:33 PM  
Anonymous Sther Boechat said...

Amei seus dois poemas, porém, com o talento que tens, eram para ser duzentos.
Muita sorte na vida...
E leve com você as poucas vezes que bos falamos na faculdade, sem no entanto, deixar de admirar-te a cada vez.
Um grande beijo,
Sther Boechat

5:01 AM  
Anonymous Graça Carpes said...

E você, por qual estrada agora anda?

:)

11:03 PM  
Anonymous Graça Carpes said...

Agradeço sua presença no Pulsar Poético.

Então vai meu e-mail:

gracacarpes@hotmail.com

Aguardo seu contato.

:)

8:10 PM  
Blogger Peri said...

Caramba, cara! Urbanismo lânguido, sem aquela romantização já desgastada há um século e meio. As vozes novas estão começando a doce canção do concreto cinzento.

7:02 AM  
Blogger Bruninha said...

Adorei o poema! bjs

4:07 PM  

Post a Comment

<< Home